Notícias

O Reder Circus e como o espetáculo Abracadabra é inesquecível!

Garota do blog na área! Dias atrás eu fiz uma postagem sobre o Reder Circus, se você caiu nessa matéria de paraquedas, vale a pena dar uma conferida. Na quinta, dia 21, tive a oportunidade de cobrir o espetáculo do Reder Circus, que se chama Abracadabra. Uma palavra, doze letras: inesquecível.

Entrevistamos alguns dos integrantes do Circo, a Giu Mallen (diretora residente), a Danny Pink (malabarista) e a Cinthia (assistente de direção, produção e palhaça Ratinha).

Para as três, o público -dos mais jovens, aos mais velhos-, podem esperar se emocionar em um espetáculo com muito amor, parceria e dedicação.

Reprodução: Instagram (dannypinkmalabarista)

Danny Pink começou a desenvolver sua paixão pelo Circo quando tinha apenas 12 anos, motivada por um Circo que havia perto de onde estudava e depois integrando a Escola Nacional de Circo. Hoje a malabarista já possui 22 anos de carreira.

Quando perguntada sobre o seu momento mais marcante na carreira, Danny brincou ao dizer que foi quando sua peruca caiu em cena, ”estava lá linda e maravilhosa, com uma peruca gigante, quando fui levantar, cade a peruca? Passei de um bailarino pro outro e segui plena.

A história da Danny é cômica mas ao mesmo tempo é uma reflexão sobre a filosofia que o Reder Circus possui com erros. Das poucas vezes que ocorreram empecilhos durante o espetáculo que pudemos prestigiar, os integrantes do picadeiro realizaram novamente o número e acertaram com êxito. A platéia é ciente disso e apoia, aplaudindo erros e acertos. É lindo ver essa garra em um trabalho que exige tanto esforço. É superação, algumas coisas dão errado mas vão seguir.

Família Romero

Danny também conta que ter participado de uma abertura de copa do mundo fora do país foi muito importante para carreira, assim como a estréia do Abracadabra em cada praça diferente é marcante. ”Cada público emociona a gente de uma forma”, completou a malabarista.

Reprodução: Instagram (@giumallen)

Conversamos também com a Giu Mallen, diretora residente do espetáculo. Giu conta que além da irreverência do espetáculo, todos os convidados acabam se surpreendendo positivamente, superando suas expectativas. ”Tenho certeza que quem vier vai sair muito feliz e com um clima de superação. Circo é superação. O pessoal também pode esperar atrações internacionais juntos a um espetáculo musical, irreverente, com cantores, bailarinos e diversas atrações”, contou.

Quando questionada sobre as dificuldades que os artistas e ainda mais os artistas circenses encontram no Brasil, Giu mostra ter esperança de dias melhores e lembra de uma das conversas que teve com Frederico Reder, criador do espetáculo, que não quis ser médico, quis ser artista, para ser o doutor da alegria. ”Enquanto a gente estiver aqui, vamos estar levando o máximo de energia e de arte pro público”, finalizou.

Reprodução: Instagram (@palhacaratinha)

Falamos também com Cinthia Nunes, a Palhaça Ratinha. O primeiro contato de Cinthia com o Circo foi ainda na escola, com um amigo que levava materiais de circo, o que a motivou a visitar a escola desse amigo. Por lá ela fez a prova pra Escola Nacional de Circo, se formando em 2012 e já emendando sua especialização em uma Escola de Palhaços e assim que encerrou, começou a trabalhar com o Palhaço Pão de Ló.

African Boys

Cinthia conta que trabalhou no Circo do Palhaço Pão de Ló e que o Frederico Reder o convidou para realizar uma versão teatral do que hoje conhecemos como Reder Circus. Depois, Cinthia recebeu o convite para trabalhar no Patati Patata, também do Frederico e de lá foi convidada para o Reder Circus.

A princípio, não entrou como Palhaça Ratinha e sim para números de equilibrismo. No entanto, Cinthia sabia que teria que dar vida à Palhaça em alguns meses, mas o que eram meses viraram três dias, devido à uma emergência no elenco. Ela surgiu como Ratinha, fez na emoção e brilha até hoje.

Para Cinthia, o artista no Brasil tem que ser multi, porque ele acaba sendo um pouco produtor, assistente de todos os setores, do artístico à direção. ”Já dancei, fiz equilibrismo, faço a Ratinha. Ao mesmo tempo que tem o lado negativo de você acabar não sendo remunerado por exercer tantas funções, você tem a motivação e a experiência em aprender várias coisas”, completou.

Com direito à apresentações internacionais e estrelas brasileiras encantadoras, o espetáculo foi impressionante. O Reder Circus resgata toda a magia do Circo e ainda traz elementos de outros âmbitos, como o teatro. É realmente irreverente, emocionante e inesquecível. Aproveitem a curta temporada aqui por Niterói (até o dia 14 de março) e corram para garantir seus ingressos pelo site da Ingresso Rápido.

Instagram: @RederCircus